Livro sobre direito ambiental é finalista do Prêmio Jabuti

Livro concorre ao Jabuti na categoria “Ciências Naturais”

Há aproximadamente duas décadas, a questão ambiental começou a ganhar projeções significativas no mundo, pois percebeu-se que haviam inúmeras consequências para cada alteração feita no ecossistema.  Essa percepção iniciou um conjunto de mudanças expressivas com relação ao tratamento dado ao meio ambiente.

Observando a ascensão do tema e a necessidade de introduzir e compartilhar conhecimento, e, principalmente, estas mudanças com a sociedade, a Editora Gaia publicou o livro Direito Ambiental – do Global ao Local, da autora Angela Barbarulo.  A publicação está como finalista do Prêmio Jabuti na categoria Ciências Naturais.

A escritora relata que foram vários os motivos que fizeram com que ela escrevesse o livro. “Trabalho com direito ambiental há mais de dez anos e sou apaixonada pelo que faço.” E brinca: “o ‘bichinho verde’ me picou cedo”.

Angela começou sua carreira na Secretaria de Meio Ambiente do município de São Paulo, que, segundo ela, é pioneira em tratar a questão e a gestão ambiental no âmbito local. “Em uma época em que as normas ainda estavam sendo implementadas e consolidadas, já tinha vontade de dividir com as pessoas todo aquele conhecimento ao qual eu estava tendo acesso. E esse aprendizado é contínuo, ocasionado pelas constantes mudanças”, observa.

A autora relata ter tido uma surpresa ao saber que havia sido selecionada pela editora para participar do prêmio, e, mais ainda, ao saber que foi selecionada como uma das finalistas. “Para mim, só o fato de ser selecionada já é uma vitória.”

Direito ambiental: do global ao local apresenta, como estudo de caso, a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente do Município de São Paulo, ressaltando que é a municipalidade que representa a esfera do governo brasileiro mais próximo à vida do cidadão e às questões de seu dia a dia. “Por isso, o conhecimento de sua atuação oferece ao leitor a oportunidade de entender a recente e enorme evolução da estrutura existente no Brasil para poder participar deste desafio global intimamente relacionado às questões ambientais”, relata. “A relevância da gestão ambiental local, realizada pelas secretarias ambientais municipais para nós, cidadãos, deve ser muito grande.”

A autora também conta que planeja escrever mais livros abordando a temática ambiental. “Gostaria de publicar livros que trazem informações de como deve ser feita a gestão junto aos órgãos públicos, em cada estado do Brasil. Abordando temas como licenciamento, outorgas de uso de água, consumo de produto florestal e outras licenças ambientais obrigatórias”, diz. “Além disso, como as normas ambientais estão em constante mudança, sendo sincera a cada trabalho ou norma que é publicada, sinto vontade de escrever um novo livro, mas, tenho pensado, especialmente,em temas como o novo código florestal e políticas de resíduos sólidos.”