Darcy Ribeiro tem nova casa editorial

Agora a obra do importante antropólogo, educador e escritor brasileiro Darcy Ribeiro tem uma nova casa editorial. A Global Editora passa a ter exclusividade sobre toda a obra nos termos de negociação que acaba de ser fechada com a Fundar – Fundação Darcy Ribeiro. O projeto ambicioso de reedição e produção inédita estende-se pelos próximos anos e inclui a publicação de todos os livros de etnologia, antropologia, romances, ensaios e educação. As obras começarão a ser publicadas no primeiro semestre de 2014. O povo brasileiro, Maíra e Noções de coisas serão algumas das obras editadas pela Global.

Com a exclusividade conquistada, a Global Editora dá mais um passo importante na consolidação do objetivo que persegue desde sua fundação, de priorizar e valorizar em seu catálogo obras de escritores brasileiros. “A conquista das obras do Darcy Ribeiro para a Global está em perfeita sintonia com o nicho editorial no qual a editora vem se dedicando, que é o da valorização do autor brasileiro”, diz Luiz Alves Júnior, presidente do Grupo Editorial Global.

Assim, Darcy Ribeiro, passa a integrar o elenco de pensadores brasileiros de igual importância publicados pela editora como Gilberto Freyre, Câmara Cascudo e Florestan Fernandes. Na literatura Darcy terá como companheiros de editora: Manuel Bandeira, Ignácio de Loyola Brandão, Cecília Meireles, Cora Coralina, entre outros. “É o fortalecimento de uma trajetória que a editora vem trilhando, em coerência com o compromisso de publicar autores fundamentais da literatura e cultura brasileiras”, ressalta Luiz Alves.

Sobre o autor

darcyyyDarcy Ribeiro formou-se em antropologia pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo e dedicou sua vida profissional ao desenvolvimento de trabalhos nas áreas da educação, sociologia e antropologia. Destacou-se por sua extensa pesquisa e desenvolvimento de uma vasta obra etnográfica e de defesa da causa indigenista.

O antropólogo também teve um papel importante na história da política brasileira. Em 1961, foi Ministro da Educação durante o governo de Jânio Quadros. Mais tarde, como chefe da Casa Civil no governo João Goulart, coordenou a implantação das reformas de base. Em 1964, com o golpe militar, foi exilado. Retornou ao Brasil em 1976 e dedicou-se à educação pública. Foi anistiado quatro anos mais tarde e, entre 1983 e 1987, foi vice-governador do Rio de Janeiro, ao lado do governador Leonel Brizola. Em 1990, foi eleito senador. No ano de 1992, tornou-se membro da Academia Brasileira de Letras.

Com o objetivo de eternizar a sua obra e de elaborar projetos na área de educação e cultura, em 1996, organizou a Fundação Darcy Ribeiro, localizada em sua antiga residência, em Copacabana. Darcy faleceu em 17 de fevereiro de 1997, vítima de câncer.

Fotos: Arquivo FUNDAR – Fundação Darcy Ribeiro