Quando uma notícia ganha a eternidade de um poema

No Natal de 1925, Manuel Bandeira leu jornal. Provavelmente fazia isso todo dia, não foi diferente no feriado. Ele leu um jornal chamado Beira-Mar e deu especial atenção à notícia com o título “Teria sido suicídio?” A gente sabe disso porque poucos dias depois ele publicou, em outro periódico, a primeira versão do “Poema tirado de uma notícia de jornal”.

Notícia que deu origem ao poema de Manuel Bandeira, “Poema tirado de uma notícia de jornal”.

Essa informação até pode parecer uma notícia de 1925, mas na verdade é uma novidade recente por causa do poeta e jornalista Heitor Ferraz Mello, que enfim encontrou a tal notícia que deu origem ao poema de Manuel Bandeira, eternizada no livro Libertinagem (Global Editora), de 1930. Ele conta neste vídeo como foi essa busca de final muito feliz (ao contrário do destino do pobre João Gostoso, que abandonou a vida na Lagoa Rodrigo de Freitas).

Heitor Ferraz Mello já publicou diversos livros de poesia, desde o fim da década de 1990. O mais recente é Meu semelhante (7Letras, 2016). Professor de Jornalismo na tradicional Faculdade Cásper Líbero, mestre em Literatura Brasileira, é um pesquisador muito ativo. Neste outro vídeo, Heitor nos oferece uma grande aula em torno do “Poema tirado de uma notícia de jornal”, iluminando profundamente as possibilidades que a poesia oferece. Ele desdobra esse poema e a gente vai se surpreendendo. Depois do vídeo, convido a imaginar: e isso tudo é a partir de apenas um poema!


Libertinagem
é um livro-chave na obra de Manuel Bandeira. Nele, há poemas que marcam suas principais antologias porque são poderosos exemplos de sua importância, do tanto de significação que pode alcançar a poesia. Neste terceiro vídeo, de uma riquíssima entrevista, Heitor Ferraz Mello passeia pelo livro e aborda alguns desses poemas, como “O cacto” e “Evocação do Recife”.